Resumo do segundo dia do III Colóquio Internacional de Investigação Crítica em Comunicação

24 de maio de 2018 Júnior Melo da Luz

O dia começou com a fala do professor Dr. Efendy Maldonado, que fez as considerações e agradecimentos iniciais e deu início ao 2º dia do colóquio.

A Primeira mesa iniciou com a fala da Profª. Drª. Laura Wottrich, que apresentou “Sobre publicidade, diversidade e o abismo que separa as duas coisas”. A professora falou sobre o problema das apropriações feitas pelas marcas, que aderem às diversidades apenas por questões mercadológicas e problematizou o papel do publicitário nesse cenário.

Na sequência dessa primeira mesa, a Drª. Tabita Strassburger, integrante do Processocom, apresentou “A participação da Mídia na construção de representações sobre a fronteira São Borja/BR-Santo Tomé/AR”.  Ela analisou um jornal impresso e duas rádios brasileiros, observando que os câmbios culturais são pouco explorados por essas mídias, fazendo coberturas apenas em épocas pontuais e pouco exploram o cambio cultural que acontece na fronteira.

Continuando com os debates da primeira mesa da manhã, a Drª Marina Albuquerque apresentou o trabalho “Entre as redes sociais digitais e as ruas: processos comunicacionais nos coletivos Defesa Pública da Alegria e Bloco de Lutas pelo Transporte Público”. Ela destacou pontos que observou na pesquisa, como os múltiplos grupos que compõem o bloco de lutas e a falta de interação nas redes sociais dos grupos, que é uma escolha dos organizadores, para manter o foco da comunicação nas ruas.

Após o recesso, iniciamos a segunda mesa do segundo dia do Colóquio Internacional de Investigação Crítica com a apresentação do trabalho “Representación de la diversidad en la publicidad auduivisual: materiales para un tratamiento inclusivo”, apresentado pelo professor Dr. Jordi Grau, que representou também os professores Dr. Nicolás Lorite e Dr. Juciano Lacerda. Ele nos apresentou como foi o processo de pesquisa com foco em analisar as diversidades de fenótipos na publicidade televisiva na Espanha.

Voltando do almoço, começamos a terceira mesa do dia com a apresentação da professora Drª Inês Sampaio (UFC), que apresentou o trabalho “TIC Kids Online Brasil Portugal”. A professora fez um comparativo dos usos de aplicativos entre crianças de 11 anos de Fortaleza e de Lisboa, onde nos mostrou o uso maior de WhatsApp e Facebook no Brasil, enquanto em Portugal, apenas o Facebook era usado entre as crianças entrevistadas.

Continuando o evento, a segunda apresentação da tarde, com o professor Dr. Franklin Cornejo (UARM- Peru) que apresentou o trabalho “El Desarrollo humano como acción comunicativa, estudio de caso en el contexto amazónico peruano”. Em sua fala, o professor apresentou os processos comunicacionais que dois povos indígenas fazem na Amazônia peruana.

Logo depois, teve início a fala do professor Richard Romancini (USP), com a apresentação “Pesquisando movimentos conservadores no Brasil: o caso Escola Sem Partido”. Sua pesquisa nos mostra a falta de coerência dos grupos apoiadores do Escola Sem Partido e a fragilidade de seus argumentos.

A quarta mesa do dia teve participação do professor Dr. Gustavo Fischer, com o trabalho “Arqueologia da mídia: uma cartografia de abordagem na pesquisa em comunicação no Brasil”. Ele nos mostrou uma síntese do que está sendo pesquisado no Brasil, na área de comunicação, focando no que se entende como arqueologia da mídia.

Na sequência, o Dr. Ronaldo Henn discutiu a pesquisa “Colapso informacional: as configurações do fascismo entre plataformas e redes digitais”. O professor falou sobre os primeiros processos e questionamentos de sua pesquisa, que ainda está em processo de construção.

Na última mesa do dia, apresentam o Prof Ms. Noel Padilla, a Profª. Drª. Norah Gamboa, a Profª. Dªa. Elia Oliveros, a Profª. Drª Ana Marquez, a Profª. Drª Alejandrina Reyes e o Prof. Dr. Adriàn Padilla. Todos falaram de projetos contra hegemônicos no campo da educação, visando integrar arte e outros meios lúdicos nas universidades.

Previous Post

Next Post