Boletim de Eventos e Relatórios – IEA USP

9 de junho de 2017 Ismael Ferreira

 

 

Agenda

 

Carlos Guilherme Mota faz conferência sobre aspectos centrais de sua obra

A obra do historiador Carlos Guilherme Mota, cofundador e primeiro diretor do IEA, é marcada pela crítica interdisciplinar e comparativista da cultura e das ideologias culturais no Brasil. Esse e outros aspectos de sua produção intelectual serão discutidos pelo próprio Mota na conferência Formas de Pensamento, Ideologias e Mentalidades, no dia 12 de junho, às 15h, no IEA, com transmissão ao vivo pela web. A organizadora e moderadora do evento é Marisa Midori Deaecto, professora da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da US P, que está em ano sabático no! IEA. A participação presencial requer inscrição prévia.


A construção da memória da ditadura civil-militar e o trabalho da CNV

Inaugurando as atividades do Ciclo Brasil 64/85, um encontro no IEA no dia 13 de junho, das 14h às 16h, irá abordar a construção das memórias da ditadura civil-militar, de 1964 a 1985, a partir do trabalho desenvolvido pela Comissão Nacional da Verdade. Segundo o organizadores, a negação da verdadeira história da repressão caminha lado a lado com a instauração de políticas de memória, de reparação e da apuração das violações aos direitos humanos. O encontro Conversações: A Memória da Política e as Políticas da Memória – Comissão Nacional da Verdade em Pauta é coordenado pelo Grupo de Pesquisa Dir eitos Humanos, Democracia, Política e Memória do IEA e terá transmissão ao vivo pela web.


Workshop busca caminhos para ampliar interação academia-indústria

Parte do conhecimento produzido pela USP nas atividades de pesquisa básica e aplicada nem sempre é devidamente compartilhado com a sociedade em geral e, em particular, com a indústria. O workshop Ciência & Indústria – Construindo Novos Caminhos em Tempos Desafiadores, no dia 19 de junho, das 8h30 às 17h30, no IEA, busca reduzir esse distanciamento. O encontro é organizado pela Pró-Reitoria de Pesquisa (PRP), IEA e Núcleo de Política e Gestão Tecnológica (PGT), com apoio da Academia de Ciências do Estado de São Paulo (Aciesp). Para participação presencial é necessária a inscrição por formulário. Haverá transmissão ao vivo pelo site do IEA.


Entidades civis se mobilizam contra possíveis retrocessos na lei ambiental

A proposta de mudança na Lei da Política Nacional de Meio Ambiente (PNMA, Lei 6.938/1981) e a criação de uma nova lei geral de licenciamento ambiental, ambas em curso no Congresso Nacional e no Executivo Federal, serão objeto de discussão no encontro Qual Reforma do Licenciamento Ambiental?, dia 20 de junho, das 14h às 16h, na antiga Sala do Conselho Universitário, com transmissão ao vivo pela web. Participam representantes de entidades governamentais, da academia e sociedade civil, sob a coordenação do professor Luis Enrique Sánchez , da Escola Politécnica da USP. Para acompanhar presencialmente, é necessá ria inscrição prévia.

 

 

Relatórios

 

Encontro analisa interdisciplinaridade e inovação em universidades de excelência

Aspectos práticos e conceituais da interdisciplinaridade e sua importância para a inovação foram debatidos no Encontro Acadêmico Interdisciplinaridade e Inovação em Universidades de Excelência, dia 15 de maio, que reuniu reitores e pró-reitores de diversas instituiç&otild e;es de ensino brasileiras. Para o vice-reitor da USP, Vahan Agopyan, entre desafios que ele vê para a interdisciplinaridade estão legislação, rigidez estrutural, modelo de gestão e a visão predominante das agências de fomento. O reitor da Universidade Federal do Pará (UFPA), Emmanuel Tourinho, defendeu uma menor influência dos conselhos profissionais na definição dos currículos e a abertura de mais oportunidades de apoio aos cursos interdisciplinares pelas agências de fomento.


A máquina, o homem e a produção de conhecimento

“Precisamos parar com essa história de que a máquina vai aprender tudo e dominar o mundo. A máquina foi programada para aprender, mas quem a programa é uma pessoa.” A opinião é do cientista-chefe da IBM, Fábio Gandour, que fez a conferência Novas Formas de Produzir Conhecimento: Elas Existem Mesmo?, no dia 19 de maio no IEA. Segundo ele, a proposta da Inteligência Artificial (IA) nos anos de 1980 era construir uma arquitetura de hardware e de software que simulasse o cérebro humano. “Mas isso não funcionou. Hoje a cognição automática não tenta simular o cérebro humano.” O que as máquinas fazem, explicou, é capturar um dado e transformá-lo em informação estruturada, dando a ele um caráter ordenado e útil.

comments

Previous Post

Next Post