Cidadania comunicativa digital: um horizonte a ser construído

30 de agosto de 2013 Processocom

Renata Cardoso

“Cidadania comunicativa digital para pessoas com deficiência visual” foi o trabalho apresentado pelo doutorando Marco Bonito, no VII Seminário Internacional de Metodologias Transformadoras da Rede AMLAT. A temática é extremamente relevante em virtude de termos passado recentemente pela XIX Semana Estadual da Pessoa com Deficiência, que trouxe justamente o lema: “Comunicação e Informação: Eliminando barreiras, construindo horizontes”. O evento aconteceu entre 21 e 28 de agosto de 2013.

O tema abordado por Marco faz parte da realidade de uma parcela relativamente grande da população e muitas vezes excluída, sem acesso às ferramentas necessárias para exercer plenamente sua cidadania. A comunicação faz parte do ser humano, é uma característica inerente à nossa espécie. Assim, proporcionar o alcance à informação às pessoas com algum tipo de diferença é reconhecê-las como os cidadãos capazes que são. Divulgar, pesquisar e abordar a temática da pessoa com deficiência, enfim, eliminar as barreiras existentes, é um passo importante para que a sociedade se torne mais igualitária.

Atualmente existem dispositivos eletrônicos e programas digitais que podem proporcionar o ingresso de pessoas com deficiência visual à cultura digital. O DOSVOX, por exemplo, é um programa leitor de tela, que permite que pessoas cegas utilizem um microcomputador comum para desempenhar uma série de tarefas, adquirindo assim um nível alto de independência. O Projeto DOSVOX é desenvolvido pelo Núcleo de Computação Eletrônica da Universidade Federal do Rio de Janeiro e é disponibilizado gratuitamente.

Marco Bonito apontou que geralmente é simples fazer com que as pessoas com algum tipo de deficiência se sintam pertencentes à comunidade. No caso da comunicação digital, por exemplo, existem hábitos que todos os videntes (pessoas que enxergam) podem adquirir para facilitar a comunicação. Colocar uma breve legenda nas fotos, por exemplo, é uma maneira simples de praticar a inclusão, já que programas como o DOSVOX não conseguem “ler” imagens.

Para saber mais sobre o DOSVOX e baixar o programa basta acessar o link http://intervox.nce.ufrj.br/dosvox/.

 

comments
#Inclusão#Rede Amlat#VII Seminário Internacional de Metodologias Transformadoras

Previous Post

Next Post