Mantega diz que ”oligopólio” dos bancos impede queda dos juros

30 de abril de 2010 Processocom

15/04/2010 – IHU Online

O ministro da Fazendo, Guido Mantega, voltou a criticar os bancos privados na manhã de ontem. Para ele, o setor financeiro é “oligopolizado” e a falta de competição é um dos limitadores para a queda dos juros para os tomadores finais. A atuação mais agressiva das instituições financeiras públicas nos últimos anos, que oferecem taxas mais baixas, segundo o ministro, melhorou a situação, mas ainda não é o suficiente.

“Falta concorrência no setor financeiro, que é oligopolizado. Mas está sendo estimulado pelos bancos públicos. Graças a eles, há mais competitividade. Mas está aquém do que gostaríamos”, disse o ministro em audiência pública na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Dívida Pública, na Câmara dos Deputados. “Quando o crédito for mais barato teremos uma expansão maior”, completou.

A notícia é de Fernando Travaglini e publicada pelo jornal Valor, 15-04-2010.

Aproveitando a oportunidade para enaltecer o ritmo de expansão do PIB, “o maior ciclo de expansão da economia nos últimos 30 anos”, o ministro afirmou que a economia brasileira “não tem medo de crescer”, mas que o país tem de ir “devagar para não atropelar” um crescimento sustentado. “A virtude do nosso crescimento é que é equilibrado. Se crescêssemos a 10% ou 11%, geraríamos desequilíbrios. Entre 5% e 5,5% é um patamar satisfatório para a economia”, disse, ao comentar se o Brasil poderia crescer em ritmo chinês.

Com relação ao nível de endividamento público, tema da CPI, Mantega afirmou que “não é pecado ter dívida pública”. Ele completou dizendo que a situação hoje é diferente do passado, quando a dívida externa era “um sério problema para o país, nos deixava de mãos atadas, à mercê dos credores internacionais, seguindo ordens, uma coisa vexaminosa”.

Também presente à audiência, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles fez uma rápida apresentação sobre a trajetória cadente do custo da dívida pública. O Brasil fez “uma inversão de um ciclo vicioso para um ciclo virtuoso” na economia. “Uma política econômica deve ser medida pelos resultados. Não se pode analisar apenas itens pontuais”, afirmou, ao discursar sobre a melhoria dos indicadores macroeconômicos.

Meirelles disse ainda que a economia brasileira apresenta uma situação de “indubitável” melhora, cabendo ao governo trabalhar e aguardar que as agências de rating revisem a classificação do país. “Vamos deixar as agências de riscos fazerem o trabalho delas. Estamos fazendo o nosso e esperamos ser reconhecidos”, disse em rápida entrevista coletiva ao final da audiência.

O presidente do Banco Central preferiu não fazer comentários sobre política monetária e também não confirmou as chances de nova elevação nos depósitos compulsórios para os bancos. “Não pré-anunciamos decisões de política monetária”, afirmou, reiterando que a recente devolução de quase R$ 71 bilhões para os cofres do BC restabeleceu o compulsório a níveis próximos aos praticados antes da crise e que a medida está ligada apenas à liquidez do sistema financeiro.

comments

Previous Post

Next Post