A testemunha que faltava no caso Dorothy Stang

28 de abril de 2010 Processocom

28/4/2010 – IHU OnLine

Marcado para esta sexta-feira, o julgamento do fazendeiro que é o principal suspeito de ser o mandante do assassinato de irmã Dorothy Stang, religiosa com intensa atividade social que foi executada em 2005 no interior do Pará, pode ganhar um novo rumo. A acusação anuncia hoje a decisão de apresentar uma testemunha capaz de oferecer novas pistas sobre o caso.

A reportagem é de Paulo Moreira Leite e publicada no portal da revista Época, 27-04-2010.

Quem acompanha as idas e voltas que envolvem a investigação do crime sabe que até agora os trabalhos de encontrar e punir os responsáveis sempre esbarraram num álibi poderoso. O principal suspeito de ser o mandante do assassinato, o fazendeiro Regivaldo Galvão, conhecido como Taradão, sempre sustentou em seus depoimentos que não tinha o “menor interesse” na morte de irmã Dorothy.

Regivaldo alega que não possui “um centímetro” de propriedades na área nem qualquer outra motivação capaz de levá-lo a envolver-se num crime de tamanha repercussão. Nem a polícia nem a Justiça davam crédito a essa versão mas faltavam meios de questioná-la de modo irrefutável. Com essa nova testemunha, cria-se uma nova situação.

Trata-se de Roniery Bezerra Lopes, que entre janeiro de 2007 e dezembro de 2008 foi gerente de propriedades que Regivaldo diz não possuir.  Dois anos depois do assassinado de irmã Dorothy foi contratado para administrar um total de oito fazendas da área, que, embora em nome de terceiros, seriam propriedade de Regivaldo.

Em conversa gravada, Roniery antecipou o que pode dizer no tribunal. O depoimento mostra que a morte de Irmã Dorothy está longe de ser uma tragédia remota num lugar distante, mas tem relação com operações milionárias e ilegais que envolvem políticos e empresários do Estado, suspeitos de usar terras griladas para promover fraudes e desviar recursos públicos dos cofres da Superintendencia da Amazonia,a Sudam, hoje extinta.

Roniery declara que era gerente da fazenda quando recebeu cabeças de gado como pagamento de dívidas que ligam o Lote 55, local do crime, a uma tentativa de fraude na Sudam. Quem fez o pagamento foi Laudelino Delio Fernandes, atual vice prefeito de Anapu, que precisava acertar contas com Regivaldo Galvão. O ex-gerente diz ainda que outro socio, José William, até hoje se recusa a repassar documentos de terra pretendidos por Reginaldo, com o argumento de que não teria recebido o que fora combinado.

As irregularidades vieram a público em 2000, cinco anos antes da morte da irmã Dorothy, e produziram um escândalo razoável. Alguns personagens foram parar na prisão. Mas, a terra e os acertos ilícitos ficaram.
O caso poderia ter-se encerrado aí, como um golpe fracassado contra as finanças públicas. Não foi o que aconteceu. Sem disposição para abrir mão de terras de valor respeitável — cada lote tem valor calculado entre R$ 4 e R$ 4,5 milhões — Regivaldo procurava tomar posse das propriedades de qualquer maneira. Mobilizou sócios, laranjas e funcionários, diz Roniery, para quem o antigo patrão segue ligado a outros fraudadores da SUDAM na utilização de uma dezena de lotes na região em operações desse tipo.

O ex-gerente revela que, a pedido de Regivaldo, chegou a promover uma reunião de agricultores para pleitear a regularização dos lotes no Incra, num esforço para legalizar a grilagem. O relato de Roniery, que só trabalhou para Regivaldo depois do assassinato de irmã Dorothy, ajuda entender a tragédia com mais clareza.

Em busca de terras para instalar um Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) destinado à população de lavradores muito pobres do interior do Pará, ela se deparou com irregularidades e denuncias de grilagem contra Regivaldo e os outros. Entre os pertences da religiosa encontrados após sua morte, havia uma pasta na qual Dorothy guardava documentos comprometedores sobre oito propriedades griladas.

Este pequeno arquivo demonstra que irmã Dorothy estava longe de praticar um ativismo religioso tradicional, com base na caridade e nos pedidos de ajuda às autoridades. Ela ia além. Estava de posse de informações que poderiam transformar sua luta social num caso de polícia, implicando fazendeiros de porte na região. Esta atuação, que feria interesses importantes, explica o esforço para montar uma operação relativamente sofisticada para seu assassinato, que envolveu uma rede imensa de intermediários a separar o cidadão que fez os disparos e o primeiro mandante, sem falar em inúmeros advogados para garantir a defesa do grupo inteiro, mais tarde.

Em novembro de 2009, Roniery já foi arrolado como testemunha de acusação num processo anterior, em que Regivaldo responde pela acusação de estelionato, grilagem de terra e uso de documentos falsificados. Poucas horas depois de receber a intimação para o depoimento, o ex-gerente foi vítima de um atentado a bala. Tomou cinco tiros, que provocaram ferimentos graves. Hoje ele passa por um tratamento de recuperação, pois os ossos da perna ficaram dilacerados. A mulher de Roniery também foi ferida.

Desde então o gerente vive de modo precário, às escondidas. Em função de tais antecedentes, as irmãs da Congregação Notre Dame, a qual irmã Dorothy pertencia, tem feito gestões junto aos poderes públicos ara garantir a segurança de Roniery.

comments

Previous Post

Next Post