Publicidade movimenta R$ 25 bilhões neste ano

7 de julho de 2008 Processocom

Imagem: Divulgação
Texto: FNDC

Aproveitando o bom momento da economia, a indústria da comunicação brasileira deve movimentar este ano cerca de R$ 64 bilhões, sendo R$ 25 bilhões só em publicidade em mídia.

A estimativa é do presidente da Associação Brasileira das Agências de Publicidade (Abap), Dalton Pastore, com base em pesquisa conjunta divulgada ontem pela entidade e pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que pela primeira vez mediu o peso do setor de comunicação (como veículos, agências e produtoras) e seu impacto na economia do país. A estabilidade econômica, o aumento da produção, das vendas e a necessidade das empresas se diferenciarem em um mercado mais competitivo foram e ainda são, na avaliação das agências, fatos que contribuíram para o boom da indústria da comunicação nos últimos anos.

– Agora podemos dizer com certeza que a indústria da comunicação já empregava em 2005, por exemplo, quase seis vezes mais do que as montadoras de veículos somadas empregam hoje – comparou Pastore.

O estudo do IBGE, concluído em 2007 e baseado nos balanços oficiais das empresas do ano de 2005, mostrou que o setor da comunicação era formado por aproximadamente 106 mil empresas, que respondiam pelo emprego de 640 mil pessoas. E pagando entre salários e obrigações um total de R$ 6,8 bilhões. O trabalho apontou ainda que o número de agências de publicidade na época estava em torno de 14,6 mil. As empresas correlatas (gráficas, estúdios de fotografia e de arte) chegavam a 8,8 mil e, as de pesquisa, a quase 1,7 mil.

– Esta é a primeira vez que o mercado de comunicação é medido de fato – disse Pastore, lembrando que o setor deve ter crescido entre 2006 e 2007 na mesma proporção do PIB.

Antes do convênio com o IBGE em 2005, a Abap só dispunha de dados informais sobre o mercado. Agora, os números são precisos já que o IBGE faz o cruzamento de dados dos balanços com as pesquisas do cadastro geral de empresas do Brasil, a anual de serviços e a industrial.

comments

Previous Post

Next Post